Domingo tem mais de 65 mil pessoas nas praias de Salinópolis

568
Domingo tem mais de 65 mil pessoas nas praias de Salinópolis

Pelo menos 50 ônibus vindos de vários cantos do Pará chegaram às praias lotadas de Salinópolis.

imentado. É mais divertido. A gente trouxe tudo de casa e veio aproveitar a natureza. E por isso vamos preservar e cuidar de todo o nosso lixo. Não vai ficar nada”, disse a agricultora Francisca Ferreira. Uma lição a quem acha que pode sujar a praia. Ela veio numa excursão com 50 pessoas de Apuí, uma vila de São Miguel do Guamá. O grupo criticou a sujeira que encontraram nas areias, logo no início da manhã.

Mas nem todo mundo gosta de agitação. A caravana na qual veio o vendedor Ailton César Santiago – era um grupo bem animado de Tracuateua, com 100 pessoas, em dois ônibus – queria sossego. “Viemos atrás de relaxar e de banho. A gente só trouxe aa bebidas nos isopores. A comida vai ser comprada aqui”, disse. Alívio aos comerciantes das barracas, que sempre se preocupam em não conaeguir faturar com os piqueniques. O passeio d

Ainda mais afastado estava Arley Rosa, servidor público estadual. Foram sete dias de descanso com a família, com o ápice neste domingo. “Fugimos do furdunço. O clima de praia, para nós, precisa ser de calma. Assim dá para curtir a natureza e a família. Deu para desligar do estresse”, disse.

Para guardar a última memória do fim de julho, a família Cecim também buscou os trechos mais afastados do Atalaia. Lá, prepararam a foto que marcou o passeio tradicional. “Todos os anos a gente vem por Salinas, sempre no final. Se não passarmos no Sal, não passamos por julho. Mas a gente só quer a parte calma da praia. É bom assim”, disseram Janice e Antônio Cecim. Como muitos veranistas, deram a última olhada para o pedacinho do oceano Atlântico, para as areias e iniciaram a viagem de volta às rotinas. O veraneio de julho chegou ao fim.

oliberal

RESPONDER COMENTÁRIO