OSTRA: ELA QUER CONQUISTAR O PALADAR PARAENSE

532
OSTRA: ELA QUER CONQUISTAR O PALADAR PARAENSE

(Foto: Elcimar Neves/Sebrae)

O cardápio é variado. Ostra empanada com risoto de tucupi, ostra com ervas aromáticas, espaguete ao creme de ostra, omelete de ostras, entre outras receitas. Com esses nomes nos pratos, é claro que o molusco foi o ingrediente principal no menu do lançamento do II Circuito de Ostras de Salinópolis, no Nordeste do Estado. O evento foi realizado no sábado, dia 8, e é promovido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-Pa), Rede de Desenvolvimento Sustentável e Turística da Amazônia Atlântica (Redestur), além da rede de ostreicultores do nordeste paraense Nossa Pérola.

O evento vai ocorrer até o dia 1º de maio, com a participação de 11 restaurantes do município, que servirão os pratos em seus respectivos estabelecimentos. O Circuito de Ostras tem o objetivo de estimular a produção da ostra em cativeiro, que a cada ano tem a aumentado pelos ostreicultores. Além disso, que aumentar o turismo na região, sobretudo no período de baixa temporada e tornar o município conhecido como a “cidade da ostra”. “Salinas é conhecida por reunir muitos turistas no período de férias, mas o Circuito acontecendo fora dessa época se torna uma opção e atração para quem vem curtir um final de semana mais tranquilo na cidade”, explica Ana Abreu, analista do Sebrae na região de Salinópolis.

A ideia do Circuito é abraçada pelos donos dos restaurantes participantes. O Chef Carlos Malicheschi, por exemplo, participou da 1ª edição, em 2015, com sua barraca Verde Mar, que fica na praia do Atalaia, e confirma o sucesso da ostra no cardápio após ter participado do evento. Ele espera ter o mesmo êxito neste ano. “Comecei a trabalhar com ostra há 4 anos e, graças ao Circuito das Ostras, eu me tornei uma referência no preparo e venda do molusco aqui em Salinas”, declarou o comerciante.

DIVULGAÇÃO

Além do chef Malicheschi, outros dez profissionais da culinária aprovaram o circuito. E apesar do evento seguir até o próximo 1º de maio, eles garantem que suas receitas de ostras lançadas especialmente para o evento vão integrar de maneira definitiva o cardápio, devido a aceitação da comida pelo público. “Elaborei um espaguete ao creme de ostras para a participação no circuito. Está sendo um sucesso no restaurante e, por isso, vai seguir definitivo no meu restaurante”, garantiu Luiz Carlos Barros, dono do restaurante Casemirão. “Temos um potencial turístico que não se limita apenas às nossas lindas praias. Temos uma alta produção de ostras de boa procedência, e é algo que vamos divulgar e atrair mais turistas”, declarou Glenda Castro, presidente da Redestur.

Ostra com ervas aromáticas: receita que está agradando paladares (Foto: Elcimar Neves/Sebrae)

Cultivo em cativeiro é mais saudável

A ostreicultura tem crescido cada vez mais na região Nordeste do Pará. Cinco municípios paraenses, entre os quais Salinópolis, formam a Rede Nossa Pérola, que organiza, nessas localidades, comunidades no cultivo do molusco em cativeiro, diferente da coleta extrativista das ostras, que surgem em ambientes insalubres e não ideal para consumo. “A coleta extrativista de ostra é sem procedência e prejudicial, já que o molusco pode surgir próximo ao esgoto, por exemplo. Já a ostra de cultivo dos ostreicultores é feita em totais condições de saúde e para o consumo”, garante

“Desenvolvemos um trabalho sério e responsável, que acreditamos que vai nos fazer ser os maiores produtores de ostra do Estado”, confia Maria José, da Associação dos Agricultores, Pescadores e Aquicultores do rio Urindeua (Aspac), que integra a Rede Nossa Pérola.

GUIA PARA DEGUSTAR- RESTAURANTES PARTICIPANTES

– Hotel Solar (Av. Atlântica, 155).
– Trepadinha (Avenida Atlântica, SN)
– Restaurante Verde Mar (Rua Verdes Mares, 103)
– Restaurante Marujos (Praia do Farol Velho – Atalaia)
– Restaurante Porto Marujos (Av. Beira Mar, S/N)
– Restaurante Casemirão (Avenida São Tomé, 287)
– Encanto das Sereias – Tapiocaria (Rua Manoel Pedro de Castro – Guarany)
– Chalé do Farol (Praia do Farol Velho, S/N)
– Restaurante Chega Mais (Rua João Pessoa, 888)
– Restaurante do Nicolau (Av. Alm. Barroso, 729)
– Restaurante Filé de Ouro (Avenida M. S. Brígida, S/N)

(Alexandre Nascimento/Diário do Pará)

RESPONDER COMENTÁRIO