Pará é um dos destinos preferenciais do turista brasileiro para 2017

202
Pará é um dos destinos preferenciais do turista brasileiro para 2017
Gepois do lançamento da lancha rápida para o Marajó, em novembro do ano passado, o Governo do Estado dá mais um passo importante para o desenvolvimento do turismo na região do arquipélago. Na manhã desta segunda-feira, 3, aconteceu o voo inaugural para o município de Soure, dentro do programa “Voe Pará”, uma das 17 medidas do programa Pará 2030, anunciado pelo governador Simão Jatene em junho deste ano. Na foto, o secretário de estado de Turismo, Adenauer Góes. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 03.10.2016

Pará é um dos destinos preferenciais do turista brasileiro para 2017

“O Voe Pará traz mobilidade e acessibilidade para as pessoas e facilita os deslocamentos seja para fazer turismo, a trabalho ou em casos de saúde”, explica o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes

Uma pesquisa anual sobre as tendências de viagem do buscador Skyscanner apontou o Estado do Pará como um dos destinos preferenciais do turista brasileiro para o ano de 2017, sendo o destaque nacional ao lado da Serra Gaúcha. De acordo com os dados da plataforma web, Belém registrou um crescimento de interesse dos internautas em 29%, enquanto que outras localidades como Santarém, Alter do Chão e Carajás despertaram um aumento de interesse em 35% dos usuários que acessam o buscador online voltado ao segmento de viagens e turismo.

Os números da base de dados dos Skyscanner refletem o comportamento de usuários brasileiros nos últimos quatro anos. A partir das estatísticas fornecidas foi possível o portal elaborar uma lista de 12 destinos que podem ser tendências de viagens para o próximo ano, no país e no exterior. Entre os destinos nacionais, o Pará se destacou pela gastronomia, cenário musical, belas praias e negócios.

Além da Serra Gaúcha, a pesquisa apontou interesse também para as cidades históricas de Minas Gerais, Maceió e Brasília. Já entre os destinos internacionais, o Caribe colombiano foi o que mais despertou o interesse nas buscas dos brasileiros para viagens internacionais.

Para a plataforma digital, esses destinos confirmam a tendência de que os brasileiros estão atrás de belas praias e de lugares históricos, como é o caso de Tel Aviv, em Israel, que no último ano teve 33% a mais de buscas. Às margens do Mediterrâneo e próxima à histórica Jerusalém, é considerada um dos destinos mais cosmopolitas e diversificados da região.

A lista dos 12 destinos-tendência para 2017 (em ordem alfabética) é formada por Brasília, Brisbane (Austrália), Caribe Colombiano (San Andres e Cartagena), cidades históricas de Minas Gerais, Curaçao, Maceió, Mendoza (Argentina), Montevidéu (Uruguai), Pará (Belém, Santarém, Alter do Chão e Carajás), Portugal (Lisboa e Porto), Serra Gaúcha e Tel Aviv (Israel).

Voe Pará – De encontro ao interesse do público em ter a capital paraense como portão de entrada no Pará e primeiro local de visitação, para posteriormente conhecer as localidades no interior do Estado, o programa Voe Pará, lançado pelo governador Simão Jatene, em junho deste ano, como uma das medidas do Pará 2030, oferece ao turista essa possibilidade de chegar noutros destinos usufruindo de uma extensa malha aérea regional.

“O Pará tem uma dimensão continental. O Voe Pará traz mobilidade e acessibilidade para as pessoas. O programa facilita os deslocamentos seja para fazer turismo, a trabalho ou em casos de saúde. É importante na vida de quem viaja e de quem recebe este viajante, pois faz com que a economia local gire”, explica o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes.

Hoje, através do Voe Pará foram viabilizados voos regulares para Breves, Soure, Paragominas, Redenção e Marabá, que vem se somar a outros destinos já atendidos anteriormente como Santarém e Altamira, por exemplo.

“É importante que nós possamos entender os diferentes níveis de aviação. Você tem a aviação regional, a nacional e a internacional. E é a interligação desta malha aérea, que propicia o mundo ficar pequeno, promovendo o turismo”, conclui Adenauer.

Por Israel Pegado

RESPONDER COMENTÁRIO